Empreendedora Raiz aos 8 anos: Aqui Nutella é só no pão!

05/11/2018 | 0 Comentários

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Gmail

Paula Tissot

Coach & Mentora - Formada em Neurociências Aplicadas ao Comportamento Empreendedor, Comunicação e Liderança.

Me encontre nas Redes Sociais:

Eu comecei a exercitar meu comportamento empreendedor aos 8 anos. Era uma fase de bastante dificuldade financeira em casa e minha mãe (minha maior e mais linda referência na vida) começou a tricotar blusões de lã pra fazer algum dinheiro, e eu levava na escola pra vender. Se levei muitos “nãos” eu nem me lembro, mas lembro de ali ter descoberto uma das coisas que mudou meu destino: perdi a vergonha de ir à luta.

Dali em diante aconteceu uma sequência de outros desafios que foram fortalecendo a musculatura do comportamento empreendedor:

– Aos 14 anos comecei a trabalhar como recepcionista em eventos (recepcionar, ajudar, orientar, improvisar, e sempre, sempre sorrir…como foi importante!);

– Aos 15 me tornei especialista em colar adesivos ao trabalhar em promoções da rádio Transamérica (aquelas que você aceitava colar um adesivo no seu carro e ganhava um CD com “as músicas do momento”). Foram muuuitas horas em pé, mas também diversão;

– Aos 16 fui professora de dança (a professora da academia pediu demissão, no mesmo minuto falei pro dono da academia: “até você encontrar outra professora, deixa eu assumir o posto!”. Acreditem…por alguns meses ele deixou.);

– Aos 17 foi loucura: vendia Avon, Contém 1g, trabalhava em eventos promocionais, recepcionista em congressos, eu definitivamente me virava!

– Aos 18 passei em 1º lugar na faculdade referência em Relações Internacionais. Lindo! Mas não tinha dinheiro pra pagar. Eu e minha mãe passamos 1 semana em frente à sala do reitor, até conseguirmos a bolsa de estudos condicionada às minhas notas. Na sequência o 1º estágio. Sucesso.

– Estudei teatro, me formei atriz, e somente aos 28 decidi fazer uma pós-graduação. Na época, dinheiro ainda curto, poderia frequentar o curso se conseguisse meia-bolsa de estudos. Lá fui eu, corri atrás do reitor de outra instituição, compartilhei minhas metas e meus obstáculos. Ele me ajudou com meia-bolsa e concluí minha Pós com sucesso.

– Aos 29 quis alçar outros vôos e sair do emprego (o 1º) onde estava há 9 anos. Vi uma vaga que me interessou MUITO! Mas eu não tinha a experiência desejada. Me inscrevi mesmo assim. Após 6 etapas de entrevistas, a última com o superintendente da instituição, a vaga era minha! Sucesso 🙂

– Aos 32 decidi: quero conhecer um mundo novo!  O universo das startups estava começando a borbulhar, minha prima viu uma vaga que não tinha absolutamente nada relacionada com minha experiência, mas era uma vaga instigante! Me candidatei. Dias depois recebi uma ligação, conversas, negociações, uma entrevista daquelas que te desafia a alma. A vaga pra qual me inscrevi não deu certo, mas outra que não estava publicada deu! Sucesso!

–  Aos 35, a coragem de empreender como profissão chegou.

Olhando pra trás, vejo o quanto 27 anos exercitando o comportamento empreendedor me prepararam para os exatos  49 dias que completo hoje trabalhando para minha própria empresa. Já são alguuuuns clientes, muitos projetos, diversas parcerias, e é só o começo!

Ah Paula, então tua vida foi só alegria e sucesso? Definitivamente não. Houveram muitos “nãos” pelo caminho. Dificuldades e novos desafios andaram junto com os casos de sucesso. O ponto é: eu tive MUITO aprendizado por todos os caminhos por onde percorri, e a cada passo escolhi sofrer menos com o “não” e dedicar minha melhor  energia ao “sim”!

Agradeço a Deus por cada desafio. Agradeço à minha mãe, mulher batalhadora em quem me inspirei,  que sempre me pilhou e não permitiu que eu desistisse. Agradeço a todas as pessoas que me deram a oportunidade de eu mostrar minha garra e me permitiram seguir minha caminhada.

A vida requer coragem. Enfrente! Em frente!!

Share This

Compartilhe inspiração!

Que tal compartilhar esse texto com seus colegas e amigos?

X